segunda-feira, 7 de maio de 2018

PAIGC DIZ QUE NÃO HOUVE VIOLAÇÃO DE ACORDO QUANTO AOS GOVERNADORES 
O terceiro vice-presidente e igualmente líder da bancada parlamentar do Partido Africano da Independência da Guiné e Cabo Verde  (PAIGC), Califa Seidi, defendeu no sábado, 5 de maio 2018, que não houve nenhuma violação do “Acordo de Princípio” sobre a questão de governadores das regiões e administradores setoriais, reclamado pelos dirigentes do Partido da Renovação Social (PRS).

Seidi disse estar esperançado que a direção do seu partido (PAIGC) e do Partido da Renovação Social (PRS) vão se entender no que concerne à questão da suspensão de Governadores, tendo assegurado que a única solução passa pela permuta das pastas de acordo com o “Acordo do Princípio” assinado entre as partes.

O dirigente dos libertadores falava a margem da cerimónia de homenagem ao ex-líder do Partido de Solidariedade e Trabalho (PST), Iancuba Djola Indjai, que extinguiu o seu partido e mudou-se para os libertadores desde a semana passada. Esse dirigente político, em resposta às críticas dos dirigentes dos renovadores (PRS) sobre a suspensão de governadores das regiões e administradores sectoriais, disse que a decisão da ministra de Administração Territorial “é uma medida puramente administrativa que compete a ministra”.

“Não houve violação alguma do ‘acordo de princípios’ reclamado pelos nossos irmãos do PRS. É bom lembrar aqui, que durante a negociação, fizemos a escolha de pastas ministeriais e cada partido escolheu a pasta, de acordo com o seu interesse. Porém, no fim [dirigentes do PRS] aperceberam-se que as pastas que se precipitaram escolher não iam garantir-lhes a gestão deste processo, então resolveram levantar a questão de Governadores de regiões. Concordamos renegociar nas seguintes condições: PAIGC vai ceder algumas regiões ao PRS e em contrapartida o PRS vai ceder igualmente algumas empresas e entidades públicas que está sob a sua tutela”, revelou o terceiro vice-presidente dos libertadores.

Informou que as duas partes devem fazer a permuta das pastas, no cumprimento do acordo, escrito em francês, que fora assinado pelo Primeiro-ministro, Aristides Gomes, Chefe da Missão Ministerial da CEDEAO, ministro togolês dos Negócios Estrangeiros, Robert Dussey, bem como líderes do PAIGC, Domingos Simões Pereira e do PRS, Alberto N’bunhe Nambeia.

“O documento assinado por todas as partes e testemunhado pela CEDEAO é denominado do ‘Acordo de Princípios’ e no qual ressalvou-se que depois da formação do governo, prosseguia-se com a negociação para que haja maior inclusão na governação a nível das regiões e setores, mas também a nível das entidades públicas autónomas. PAIGC e PRS, vamos nos entender sobre questão de governadores. Temos que fazer a permuta das pastas, de acordo com o documento que assinamos”, espelhou, para de seguida, acrescentar que a referida situação não deve constituir de forma alguma um entrave para impedir o funcionamento do governo.

De acordo com o Democrata, a militância de antigos dirigentes do Partido de Solidariedade e Trabalho, explicou que o partido vai instruir as suas bases no sentido de adotar mecanismos da integração destes novos militantes nas estruturas de bases.

Notabanca; 07.05.2018

1 comentário:

  1. Pq q nao se descutiu 1 antes de exoneracao dos ditos gavernadores ?

    ResponderEliminar